Condomínio seguro: como os moradores podem ajudar

 

Com o aumento da criminalidade, os condomínios têm investido em tecnologia para garantir a segurança de moradores e funcionários. As soluções de controle de acesso são cada vez mais modernas e, integradas a sistemas de alarmes e câmeras, ajudam a monitorar quem entra e quem sai dos prédios.

Mas apenas investir em novos equipamentos não é suficiente para evitar que problemas com a segurança aconteçam. O fator humano também é fundamental. Afinal, a segurança não deve ser responsabilidade apenas de síndicos e equipes especializadas, todos os moradores devem contribuir para manter o condomínio seguro.

Muitos assaltos, por exemplo, são cometidos em momentos de distração. Uma das práticas mais comuns é esperar que a pessoa pare o carro e antes mesmo que o portão abra, o morador é abordado e rendido pelos criminosos. A portaria, inclusive, é apontada por várias pesquisas como o ponto mais vulnerável nos condomínios. Segundo uma estatística do Secovi (Sindicato da Habitação), 90% das invasões em prédios residenciais acontecem pelas entradas de veículos e de pedestres.

E esse é um número que não para de crescer. Um levantamento da GloboNews com base em dados da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo mostra que só naquele estado houve um aumento de 172% nos roubos e furtos a condomínios entre 2015 e 2016. Por isso, é fundamental que os moradores participem ativamente das questões de segurança do condomínio.

Como o morador pode contribuir para um condomínio seguro

Aliadas aos sistemas eletrônicos e a normas organizacionais, algumas atitudes de moradores contribuem para manter o condomínio seguro. Manter a porta de entrada trancada – do apartamento e da entrada dos blocos, por exemplo – é o ponto de partida. Pode parecer uma medida simples, mas em prédios com vigilância esse procedimento muitas vezes é esquecido.

Outro hábito comum é queixar-se de protocolos rígidos de segurança, como quando a portaria segue os padrões de liberação mesmo para parentes que costumam frequentar o condomínio. É importante ressaltar que as regras devem ser seguidas por todos. Qualquer comportamento que interfira na segurança pode colocar em perigo outros moradores e funcionários.

A importância do manual de segurança

Para que os procedimentos estejam claros para todos, é essencial que o condomínio mantenha um manual de segurança. Ele deve ser aprovado em assembleia e entregue a todos os moradores. Além disso, uma cópia deve ficar na portaria para que possa ser acessada sempre que necessário.

Nesse documento, devem constar regras como o acesso de fornecedores e empregados e as penalidades para quem descumprir o que tiver sido acordado. Os especialistas indicam que o ideal é que ele seja elaborado por um comitê de segurança eleito pelos próprios condôminos.

O Secovi-SP disponibiliza para download gratuito em seu portal, um manual de segurança que pode ser usado como referência pelos condomínios. Nele, há um item destinado aos moradores no qual o sindicato fornece algumas orientações.

Veja as principais:

  • É importante que o morador participe das reuniões referentes à segurança. Vale a pena também ingressar na comissão de segurança do seu condomínio;
  • Traga sempre informações relativas à segurança. Essas sugestões são valiosas para aperfeiçoar a proteção de todos;
  • Conscientize seus parentes e funcionários sobre a importância da integração de todos para manter o condomínio seguro;
  • Jamais contrate empregadas domésticas, motoristas e babás sem a documentação e as respectivas referências dos candidatos;
  • Não deixe as chaves de seu apartamento nem seus objetos pessoais na portaria. Se for o caso, deixe com algum vizinho de confiança;
  • Ao mandar fazer cópias das chaves, acompanhe pessoalmente o processo;
  • Em caso de viagem prolongada, providencie para que uma pessoa de confiança tome conta de sua residência;
  • Caso resida no primeiro ou segundo andar de um prédio, proteja as áreas de acesso com grades reforçadas;
  • Instale olho mágico nas portas. Se possível, instale trincos e trancas complementares, dando preferências as fechaduras quádruplas ou digitais;
  • Se possível, coloque alarmes com dispositivos sonoros nas principais entradas da sua casa;
  • Se o portão da garagem funciona por meio de acionamento automático, aguarde até seu fechamento total antes se se dirigir para sua vaga;
  • Quando entrar no condomínio, identifique-se ao porteiro. Abaixe o vidro ou acenda a luz interna;
  • Ao estacionar, nunca deixe seu veículo aberto ou com objetos à vista.

Esses cuidados fazem toda a diferença para manter o seu condomínio seguro.

 

 

Fonte: blog.intelbras

Conheça 6 problemas comuns na gestão de manutenção de condomínios e saiba como resolvê-los

 

Gerenciar um condomínio pode ser uma tarefa desafiadora. Seja ele residencial, comercial ou misto, a construção é composta de áreas comuns e restritas, com funcionamentos diferentes, mas todas elas podem apresentar problemas de manutenção.

A manutenção inadequada ou a falta dela resulta em problemas variados, causando danos materiais e até mesmo a danos pessoais. Estudos realizados pelo Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia (IBAPE) indicam que mais de 60% dos acidentes ocorridos em edifícios com mais de 10 anos estão relacionados à deficiência ou inexistência de manutenção.

Mas, afinal, quais são os problemas mais enfrentados nas gestão de condomínios? Para garantir uma boa administração, sem descuidar da manutenção, atente-se a esse setores:

 

Ar condicionado

Sistemas de climatização não sofrem somente com quebra. É o ar que não esfria o suficiente ou que não tem pressão. Tudo isso gera mau funcionamento do prédio e das máquinas dentro dele, causando aumento de custos de mão de obra, sem contar na possibilidade de problemas de saúde das pessoas que frequentam os ambientes.

Esses problemas podem ser evitados com a implantação de atividades de manutenção preventivas que ajudem a garantir a qualidade do ar e o bom funcionamento dos equipamentos. Ter um planejamento adequado destas atividades e a documentação referente a ela sempre à mão ainda ajuda na execução do Plano de Manutenção, Organização e Controle, também conhecido como PMOC, obrigatório por lei.

 

Infiltração

Atire o primeiro reboco o condomínio que nunca enfrentou um vazamento ou um imprevisto com o encanamento. Mesmo a mais rotineira das ações, como uma limpeza na caixa d’água, precisa ser agendada para evitar transtornos e reclamações. A solução é colocar em prática as manutenções preventivas, inspecionando as instalações hidráulicas periodicamente.

 

Sistema elétrico  

Por mais rápido que seja, uma falha no sistema elétrico gera muito estresse. O problema fica ainda maior quando acontece em um prédio comercial. Para evitar despesas extras na fatura de eletricidade e gastos não planejados, como mão de obra e manutenção, mais uma vez a combinação da manutenção preventiva do sistema e a realização das medições corretamente é o melhor caminho. Investir em materiais de qualidade superior também contribui para a redução de problemas nesse setor.

 

Elevadores

Os elevadores são campeões em reclamações, principalmente em prédio comercial. A maior parte das vezes os problemas se devem à falta de vistoria. A manutenção fora de rotina tem um custo alto e para garantir que elevadores funcionem de acordo com o desejado, sem acidentes, tanto elevadores quanto salas de máquina devem passar por inspeções e manutenções periódicas. Além disso, é necessário manter uma sinalização clara informando peso máximo permitido e eventuais restrições de uso de cada edifício.

 

Sistema de segurança

Estar com o sistema de segurança em dia faz toda diferença no momento de uma emergência. É necessário agendar a inspeção dos equipamentos e sistemas de segurança, fazer a manutenção de escadas, dos equipamentos de combate de incêndio, como extintores e detectores de fumaça, e iluminação de emergência. Um condomínio também possui câmeras e outros sistemas de segurança, que são especialmente críticos em momentos de falha.

 

Documentos: papéis e tabelas

A gestão de equipes – facilities, terceirizadas ou próprias – e suas atividades são outras tarefas complexas para o gestor. A imensidão de Ordens de Serviço abertas no papel, frequentemente, resulta em solicitações incompletas, porque o papel se perdeu ou porque, na falta de uma agenda que todos possam consultar, a atividade acabou sendo esquecida. As informações técnicas espalhadas em documentos tornam ainda mais difícil reunir os dados necessários para estabelecer e mensurar indicadores importantes para as tomadas de decisão.

 

Software de gestão de manutenção

E nada é mais eficaz na administração e manutenção de um condomínio do que todas essas informações organizadas, juntas e detalhadas.

A utilização de um software de gestão predial, integrado com um sistema de gestão de condomínios, facilita a abertura e o acompanhamento de chamados, aumenta a transparência e qualidade na realização das atividades, de cada serviço prestado. Além de ser uma ferramenta eficiente que ajuda a gerar gráficos e indicadores importantes e gerar o relatório do PMOC com mais facilidade. O software ainda oferece ao gestor um plano de manutenção preventiva organizado e atuante, evitando perdas de desempenho do empreendimento.

 

Fonte: keepclean

COMUNICAÇÃO/INTERFONIA CONDOMINIAL – COMO FUNCIONA?

 

Os interfones em condomínios são equipamentos fundamentais para auxiliar na segurança dos edifícios e na comodidade dos moradores, além de facilitar a comunicação entre condôminos e a portaria, e vice-versa, ou mesmo fazer ligações sem custo entre um apartamento e outro.
A comunicação condominial funciona com uma unidade externa ligada em todos o ramais instaladas em cada apartamento através de uma central de portaria, permitindo se comunicarem com visitantes, portaria e inclusive ter o controle de acesso.
Existem diversos tipos de redes de interfone, mas o mais moderno e de qualidade é a digital com central de portaria.

Por que ter a Central de Portaria Condominial?
A central digital interliga todos os interfones de um condomínio permitindo que os moradores possam comunicar entre si sem precisar necessariamente ser intermediado pela portaria. Essa é sua principal vantagem, além de apresentar uma qualidade superior no som emitido.
Diferente dos sistemas de interfonia analógica onde os condôminos tem acesso somente à unidade externa do interfone e não tem acesso direto aos outros apartamentos.
Já com a central digital de interfonia o usuário pode falar com seu visitante, abrir o portão apenas ao apertar de um botão e, também, ligar diretamente para qualquer vizinho.

Basicamente, para ter um sistema de interfonia condominial digital é necessário ter uma central de portaria com a placa ramal desbalanceada, uma unidade externa de porteiro eletrônico e os monofones de cada apartamento.

 

 

Fonte: upperseg

Prestação de Contas em condomínio: tudo que você precisa saber!

De acordo com o Código Civil, a Prestação de Contas e Previsão Orçamentária devem ser feitas e aprovadas anualmente em assembleia, o que, na maioria dos condomínios, costuma acontecer no início do ano.

Para te ajudar na prestação de contas, o SindicoNet preparou algumas dicas de como ordenar, documentação a ser apresentada e como proceder em caso de reclamações.

Continue Reading →